Arquivo do mês: julho 2012

Inspiramais Inverno 2013 – Parte II

Continuando a série de posts sobre o Inspiramais Inverno 2013, iniciada aqui.

CONCEITO 2 – Urbanos

Representa os 30% do meio da pirâmide de consumo. A referência maior é, obviamente, a cidade. As obras de Pollock traduzem essa agitação, bem como as fotos de vistas aéreas das metrópoles , que servem de base para estamparia digital.

Por outro lado, há uma busca por humanizar essa metrópole tão fria. O grupo alemão Neozoon realiza intervenções urbanas com materiais naturais, como peles e couros, reproduzindo formas de animais em diversas cidades do mundo, como se dissessem: “os humanos roubaram nosso espaço”.

Outro trabalho muito interessante citado por Walter Rodrigues é o do designer japonês Hiroaki Ohya. Essa série de camisetas, por exemplo, foi feita com base nas formas no nosso alfabeto – algumas delas são praticamente impossíveis de vestir.

Logo mais têm a 3ª e última parte das informações coletadas no Inspiramais!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Eventos, Moda, São Paulo, Têxtil

Inspiramais Inverno 2013 – Parte I

Quem está acostumado a frequentar palestras e fóruns de macrotendências costuma sair de lá com a cabeça pipocando de informações e idéias. Alguns desses eventos (principalmente os promovidos pelas tecelagens e malharias) são mais “palpáveis”, apresentando um conteúdo mais digerido – fala-se de comprimentos, modelagens, lavagens, cores, etc. O Fórum de Inspirações Inspiramais, promovido duas vezes por ano pela Assintecal (Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos) apresenta um formato um pouco diferente e bem mais interessante. A pesquisa, coordenada pelo estilista Walter Rodrigues, baseia-se na seguinte pirâmide, que representa o todo do mercado.

 – Os 10% do topo representam as idéias puras, as experimentações, as experiências próprias de cada indivíduo que são propostas.
–  Os 30 % correspondem a racionalização do produto. Aqui, as idéias propostas anteriormente são adaptadas à realidade dos processos industriais.
–  E os 60% são as idéias que deram certo, que foram difundidas e que são uma realidade presente no mercado, ou seja, o consumo de massa.

 Podiamos falar bem brevemente de cada um deles pra caber num post só, mas como eu disse, as informações são bem bacanas e merecem ser digeridas de pouco. Vamos seguir a linha proposta no fórum, sem citar traduções dos temas, mas sim citando trabalhos de artistas/estilistas/fotógrafos/etc que representam bem essas referências contemporâneas.

A palavra-chave é Aconchego, que de acordo com a pesquisa, traduz bem o espírito e os desejos do inverno.

CONCEITO 1 – Migrantes

Correspondente aos 60% da base da pirâmide de consumo, esse conceito surgiu de uma fotografia de um rapaz de moletom com capuz e short de surf, tirada por Walter na Bélgica, que segundo ele, é a mistura, o “inverno em cima, verão embaixo”.

Fragmentação é a palavra chave, exemplificada pelos trabalhos da artista plástica Pakayla Biehn e da fotógrafa Kathy Klein. A primeira nos chama a atenção para um trabalho de sobreposição de camadas, em especial na série Double Exposure, enquanto a segunda é conhecida por criar e fotografar mandalas a partir de pétalas caidas das flores.
Outra referência é o mapa, que lembra que a localização é algo muito importante no mundo atual – o ato de fazer check-in em redes sociais, compartilhando o local onde você está,  é um exemplo disso. Uma tradução prática disso é a estampa com essa referência que Herchcovitch usou no seu desfile verão 2013 no Fashion Rio.

Em breve o próximo post com o Conceito 2 do Inspiramais! :))

2 Comentários

Arquivado em Eventos, Moda, São Paulo, Têxtil

T-skirt

T-shirt: se não é a peça de roupa mais versátil do planeta Terra, está próxima disso. É possível transformá-la em qualquer outra peça em 5 minutos. Com uma de de tamanho grande, se faz um vestido. Cortando as mangas, se tem uma regata. Em um bom tecido de algodão, dá pra desenhar, pintar, colar e costurar. E hoje, que tal fazer de uma velha camiseta uma saia nova?

Corte a camiseta de uma lateral à outra, logo abaixo das costuras das mangas, e dispense a parte de cima.

Corte uma tira, que vai ser usada para fechar a saia, ou use para isso qualquer outro tecido, fita, cordão…

Na barra da camiseta, ache o centro e faça um furinho.
Com a ajuda de um grampo, passe a tira por toda a extensão da barra, até o outro lado, e puxe.

Dê um laço na tira, e está feita a saia. A partir daí, você pode encurtá-la ao seu gosto, fazer uma barra, uma aplicação, ou deixar tudo como está.

Ninguém disse que customizar camiseta quer dizer criar apenas uma camiseta customizada (:

Deixe um comentário

Arquivado em customização, Moda